O professor Valdir de Souza Lima, que dá o nome a este projeto, lecionou português por cerca de 30 anos na cidade de Itu-SP (durante as décadas de 1970 e 90), tendo atuado especialmente em duas escolas públicas de Ensino Fundamental: Regente Feijó e Cesário Motta. O nome foi escolhido pelo fato do prof. Valdir ter sempre incentivado a leitura em sala de aula, promovendo debates e orientando consultas à biblioteca escolar. Com seu jeito peculiar de ensinar e dar conselhos aos alunos, é sempre lembrado como referência no ensino de português na cidade.

Vários ex-alunos da escola Cesário Motta estão apoiando o projeto e a partir da próxima semana iniciaremos uma pesquisa aos documentos do professor que estão arquivados nesta escola. Agradecemos desde já a colaboração da diretora, sra. Kátia e do sr. Benedito, da secretaria.

Paralelamente, outros ex-alunos estão levantando informações biográficas a partir de consultas com familiares do prof. Valdir, que faleceu em 2004, em Itu.

Pretendemos, se possível, organizar uma pequena exposição com objetos, anotações e provas da época; por isso, se algum ex-aluno do Cesário Motta ou Regente tiver qualquer tipo de material com anotação do prof. Valdir e quiser colaborar, por favor entre em contato conosco e desde já agradecemos.

Anúncios

Uma das características principais desta biblioteca é o acervo de publicações independentes e alternativas (jornais, revistas, folders, catálogos, anais, arquivos PDF e fanzines). A última categoria citada se destaca por ser, na opinião dos integrantes do projeto, o exemplo mais claro e vivo da imprensa alternativa no país.

Surgidos em meados dos anos 1970, influenciados principalmente pela cultura punk inglesa e norte-americana, os fanzines se caracterizam por uma linguagem jovem e contestadora, geralmente escritos ou desenhados por admiradores de um tema específico (artes em geral). No Brasil ganharam força expressando-se através das histórias em quadrinhos, mas não ficaram só nisso. Temos até hoje fanzines (ou zines, como são carinhosamente chamados) dos mais variados assuntos, do budismo ao movimento gótico, da cultura GLBT aos clássicos do VHS e vinil.

Por isso os integrantes da equipe da biblioteca decidiram doar seus fanzines e demais publicações alternativas ao projeto, formando assim um acervo considerável (cerca de 90 a 100 títulos). Alguns exemplos: QI (Quadrinhos Independentes), O Capital, Abibiman, Revista Verve, Revista Coyote, Letralivre, Ação Poesia, Jaula, Heróis em Ação, Boca Suja, Urtiga, Tarja Preta, Juvenatrix e tantos outros que ilustram a diversidade e a criatividade desses editores independentes, que não desistem de remar contra a maré e contra toda a alienação e corporativismo dos mass media.

Para ampliar ainda mais este acervo, estamos entrando em contato com vários editores pedindo o envio de exemplares antigos e atuais. Esperamos contar com o apoio de todos.